Principais PsicoAção

A motivação e a paixão por viver

Escrito por;

 

Elton Rodrigues Tavares[1]

Tammy Harumi Kitano[2]

Príncela Santana da Cruz[3]

 

Você sente a motivação e a paixão por viver? Segundo Shinyashiki (2013), o que vai definir a nossa qualidade de vida é a nossa capacidade de estarmos apaixonados por ela.

 

 

Mas como despertar a nossa paixão por viver? Como fazer cada segundo da nossa vida valer a pena?

 

 

Pois bem, a motivação é um processo psicológico que, dentre inúmeras definições, caracteriza-se como uma força interna que possui variáveis cognitivas e emocionais, sendo particular de cada pessoa, dependendo de seus sonhos e objetivos.

 

 

Você já pensou sobre o que te motiva ou o que te faz levantar da cama todos os dias?  Seria um emprego melhor? Uma viagem dos sonhos? Um curso que gostaria tanto de fazer?

 

 

Em um contexto escolar, a motivação é o que estimula o aluno a buscar conhecimentos para atingir seus objetivos, como por exemplo, o empenho para ter boas notas, passar de ano e ingressar em uma universidade para dar continuidade à formação acadêmica.

 

 

A motivação, então, a longo prazo, move-se a objetivos mais complexos devido aos conhecimentos desenvolvidos durante os processos de aprendizado que obtivemos em nossas vidas.

 

 

Com o passar dos anos, manter-se engajado em nossos objetivos e, consequentemente motivados, pode tornar-se difícil, devido ao “bombardeio de informações” e notícias negativas; outros aspectos também podem influenciar nossos níveis de motivação como a comparação com as outras pessoas em relação ao que elas possuem e fazem, e também o medo do julgamento ao não expressarmos nossos sentimentos, pensamos e emoções para termos apoio nos nossos relacionamentos. Dessa forma, podemos acabar deixando de lado a nossa motivação pessoal ao focarmos nas expectativas sociais.

 

 

Isso pode nos fazer ter a sensação de estarmos perdidos, e se não sabemos aonde queremos chegar, qualquer caminho serve, como já dizia o Gato risonho na obra de Lewis Carroll (1865) em Alice no país das maravilhas.

 

 

 

Algumas vezes acordamos dispostos, animados, mas aí lembramos dos boletos que temos para pagar, dos problemas no trabalho, dos problemas em casa, e, aos poucos, a nossa felicidade vai se esvaindo. As preocupações também fazem parte do nosso dia a dia. Contudo, como seria possível ser feliz mesmo vivenciando momentos de preocupações, medo, insegurança e demais sentimentos que parecem acabar com a nossa felicidade?

 

 

Uma das formas é através do autoconhecimento, pois, por meio do autoconhecimento, é possível conhecer a nossa verdadeira essência e assim criar uma harmonia interior. A partir disso, é possível encontrar uma motivação para levantar todos os dias da cama e perceber um sentido maior em nossas próprias atitudes, ir atrás de nossos objetivos e do que realmente querermos. Quem alimenta corretamente essa essência jamais se sentirá perdido, sabe sempre o melhor caminho a escolher.

 

 

O autoconhecimento ajuda em muito obter o melhor da vida, proporcionando um conhecimento mais profundo do nosso EU, sem as máscaras e personagens que criamos em nós mesmos. Sendo assim, conseguimos chegar a nossa própria essência, desprovidos de todos esses artifícios que criamos.

 

 

Por meio de nossas qualidades, erros e acertos, desenvolvemos estratégias para alcançar nossos objetivos que trarão grandes satisfações pessoais, como por exemplo: constituir uma família, realizar a viagem dos sonhos, aprender um novo idioma. Ou seja, quaisquer que sejam os objetivos, o ser humano irá procurar desenvolver ações que tenha como consequência saciar suas paixões.

 

 

Mas retornando novamente a questão: como ser motivado e apaixonado por viver? Como isso funciona na prática? Acredito que você já saiba a resposta.

 

 

Viver é se arriscar constantemente em busca daquilo que só diz respeito a você! O medo exerce uma função importante neste contexto, pois ele aparece sempre que vamos fazer algo determinante em nossas vidas. Aprender a identificá-lo, é saber apontar os desafios que aparecem pela frente e assim nos aventurar sozinhos ou acompanhados na jornada que é as nossas vidas. Se você está em dúvida sobre aonde foi parar sua paixão e motivação, perceba onde está a sua empolgação.

 

 

Para isso, reflita sempre: O que faz seu coração acelerar de verdade?  Que atividade você faria por horas incansavelmente?

 

 

Assim, ao refletir nessas questões, você encontrará o caminho que o conduzirá à felicidade e ao bem-estar!

 

Referências

 

SHINYASHIKI, R. Louco por viver: Desperte a sua paixão pela vida. São Paulo. Editora Gente, 2013.

 

CARROLL, Lewis. Alice País Maravilhas. 1ª Edição. ed. 2002. 125 p. Disponível em: https://www.objetivo.br/arquivos/livros/alice_no_pais_das_maravilhas.pdf. Acesso em: 10 set. 2021.

 

[1] Elton Rodrigues Tavares – Discente do curso de Psicologia da UnC Canoinhas. E-mail: elton.tavares@aluno.unc.br

[1] Tammy Harumi Kitano – Discente do curso de Psicologia da UnC Canoinhas. E-mail: tammy.kitano@aluno.unc.br

[1] Príncela Santana da Cruz – Docente do curso de Psicologia da UnC Canoinhas e Mestranda no Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (UnC). E-mail: princela@unc.br

 

Comente esta matéria: